Número de empreendedores idosos aumenta 9,12%

03/09/2018
POR: Jornal Contábil SC

04

John Wagner optou em abrir uma franquia de pizzaria para complementar a renda – Foto: Divulgação

O número de empreendedores maduros está crescendo no país. Em 2016, a faixa etária dos 55 aos 64 anos representava 29,6% do total de empreendedores, conforme a pesquisa
GEM – Global Entrepreneurship Monitor –, divulgada pelo Sebrae. Um ano depois, passou para 32,3%, alta de 9,12% na comparação com 2016. A tendência, segundo a analista do Sebrae Minas Zuleika Tavares de Melo é de crescimento. E os motivos são vários; entre eles, o envelhecimento da população e a crise. Em 32 anos, o país será o sexto com maior parcela da população com mais 60 anos. Além disso, existe a falta de oportunidades no mercado tradicional de trabalho, acrescenta Zuleika.

“Idade ainda é tabu. O mercado é preconceituoso”, diz a caixa de supermercado Vanderlice Meireles Weber, 65. Ela se mantém no mercado graças ao projeto Sênior do Grupo Super Nosso, que desde 2015, estimula a contratação de pessoas com mais de 55 anos. Vanderlice está no supermercado desde o começo do programa.

Lívia Hollerbach, uma das responsáveis pela pesquisa Tendências do Mercado Prateado de Belo Horizonte, divulgada neste mês pela Câmara dos Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH), ressalta que, muitas vezes, os idosos sustentam a família. A pesquisa mostra que 35% deles afirmam que os filhos dependem mais deles do que os idosos gostariam.

E foi na faixa etária acima dos 65 anos que o endividamento mais cresceu na capital, com alta de 16,05%, conforme dado da CDL. “As pessoas nessa faixa etária são as responsáveis financeiras pelas famílias. Muitas, inclusive, vivem apenas com a renda da aposentadoria”, analisa o presidente da entidade, Bruno Falci.

Seja para complementar a renda ou pela vontade de se manter ativo, o idoso busca oportunidades no mercado formal, como autônomo, fazendo pequenos trabalhos e até mesmo abrindo uma empresa, analisa Lívia.

Há um ano e dois meses, John Wagner Moura, 61, optou, junto com os dois filhos, por uma franquia da Fórmula Pizzaria, no bairro Sagrada Família, região Leste da capital. Para ele, o trabalho é importante para manter a mente ativa, além de complementar a renda.

“Temos que criar condições para que eles se mantenham na ativa”, diz Falci. O presidente da CDL ressalta que, da mesma forma que existe lei para contratar o menor aprendiz, o mesmo deveria acontecer com os aposentados. “Só que não deveria ser uma obrigação. Deveria haver incentivos, como o não recolhimento do INSS. Afinal, ele já está aposentado, não faz sentido para ele enquanto profissional”, diz.

Franquias estão na mira da faixa etária

A holding Encontre Sua Franquia, que engloba seis tipos de negócio – Encontre Sua Viagem, Bidon Corretora de Seguros, Fórmula Pizzaria, SUAV, GEmotion e Acquazero – despertou o interesse da chamada “geração prateada”. Nos últimos cinco anos, a procura dos investidores acima de 60 anos pelas franquias do grupo cresceu 10%, conforme o presidente da holding, Henrique Mol. Ele atribui esse aumento ao fato que as pessoas, mesmo já  aposentadas, procuram por atividades que tragam satisfação e alguma ocupação.

Um deles é Luiz Bessa, 64. Ele optou, junto com a filha, por um franquia na área da beleza, a SUAV – que oferece os serviços de esmalteria, escovaria, fotodepilação e depilação a cera. Em 90 dias, a unidade da Savassi deve ser inaugurada. Otimista, ele pensa em futuramente abrir uma segunda franquia. “Pode ser na mesma área ou no segmento de alimentação. Não penso em parar”, diz.

Comprometimento é um diferencial

Comprometimento com a empresa é uma das vantagens oferecidas pelos profissionais de 55 anos ou mais, segundo especialistas em recursos humanos. “É um perfil que se destaca pela disponibilidade. E, apesar da idade, o número de atestados é menor na comparação com os mais jovens”, explica a coordenadora de recrutamento e seleção do Grupo Super Nosso, Auxiliadora Tampieri.

No grupo, há hoje cerca de 400 profissionais de 55 anos ou mais em diversas funções – caixas, repositores, embaladores –, além de vagas no setor administrativo. “Temos um colaborador com quase 80 anos. Idade não é
impeditivo para o trabalho”, frisa.

Na rede Loja Elétrica também há profissionais mais maduros, conforme o supervisor de RH, Gilson Pereira Gomes. “Temos um vendedor de 77 anos. Sempre que possível buscamos mesclar a juventude com a experiência”, diz.

Padrão de vida diminuiu 38% em MG 

A necessidade dos profissionais mais maduros de se manterem no mercado de
trabalho se deve à queda na renda, o que foi constatado pela pesquisa Tendências do Mercado Prateado em Minas. O levantamento mostra que para os 38% dos mineiros de 55 a 64 anos entrevistados, o padrão de vida caiu nos últimos anos. A situação piora para os que têm mais de 65 anos, com a queda no padrão de vida sendo mencionada por 48%. E os principais motivos são gastos com saúde e ajuda a familiares.